Leitura

A morte e a morte de Quincas Berro Dágua conta a história da dupla - talvez tripla - morte de Joaquim Soares da Cunha. Teria ele morrido de morte natural, no leito pobre de um cortiço da ladeira do Tabuão, ou embarcado para o outro mundo algumas horas depois, no mar da Bahia, onde sempre desejara ser sepultado? Ou teria partido antes, quando caiu na vida dissoluta da capital baiana?


Para desgosto da família, Joaquim Soares da Cunha, o Quincas, decidira largar tudo. A certa altura da vida, deixara de ser funcionário exemplar, pai, esposo e cidadão de bem para se juntar à malandragem da cidade, tornando-se o “cachaceiro-mor”, o “rei dos vagabundos da Bahia”.


Certo dia, amanheceu morto. Para o velório, os familiares tentam restaurar o respeito pelo falecido e o vestem com elegância. No caixão, porém, Quincas ostenta um sorriso maroto. Estaria mesmo morto?


À noite, chegam os companheiros de farra: Curió, negro Pastinha, cabo Martim e Pé-de-Vento. Os amigos de boa vida, embalados pela cachaça, dão de beber ao defunto e levam Quincas para passear pelas ruas da cidade até a orla. Ali, junto de seus amigos e de sua amante, Quitéria do Olho Arregalado, Quincas Berro Dágua vai encontrar seu derradeiro destino.


Texto enxuto e denso, poético e debochado, A morte e a morte de Quincas Berro Dágua é uma pequena obra-prima de Jorge Amado. Com construção e estilo primorosos, trata do conflito entre a ordem instituída e a liberdade da boemia.